segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Mãos

Existem pessoas que nunca compreenderão o prazer das coisas feitas com as nossas próprias mãos...


sábado, 26 de setembro de 2015

Life...


"Not everyone deserves to know the real you.
Let them criticize who they think you are"



quinta-feira, 5 de março de 2015

Papel em nós

"Minha cara... vamos procriar versos numa folha de papel como se não houvesse amanha?!"

domingo, 14 de dezembro de 2014

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Aventura... É um modo de andar entretido na vida, enquanto não encontro alguém que me encha de vida.

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

Poesia inacabada


A melhor poesia é um beijo envergonhado,
Por um acaso dado,
Nem planeado!
Nem pensado...
Apenas pelo impulso instigado.



terça-feira, 2 de setembro de 2014

215 anos da descoberta da pedra de roseta (rosetta stone)

215 anos da descoberta da Pedra de roseta, que permitiu fazer a tradução dos ieroglifos egipcios.



terça-feira, 12 de agosto de 2014

O Captain! My Captain!


O Captain! My Captain!


O Captain! my Captain! our fearful trip is done,
The ship has weather’d every rack, the prize we sought is won,
The port is near, the bells I hear, the people all exulting,
While follow eyes the steady keel, the vessel grim and daring;
                         But O heart! heart! heart!
                            O the bleeding drops of red,
                               Where on the deck my Captain lies,
                                  Fallen cold and dead.

O Captain! my Captain! rise up and hear the bells;
Rise up—for you the flag is flung—for you the bugle trills,
For you bouquets and ribbon’d wreaths—for you the shores a-crowding,
For you they call, the swaying mass, their eager faces turning;
                         Here Captain! dear father!
                            The arm beneath your head!
                               It is some dream that on the deck,
                                 You’ve fallen cold and dead.

My Captain does not answer, his lips are pale and still,
My father does not feel my arm, he has no pulse nor will,
The ship is anchor’d safe and sound, its voyage closed and done,
From fearful trip the victor ship comes in with object won;
                         Exult O shores, and ring O bells!
                            But I with mournful tread,
                               Walk the deck my Captain lies,
                                  Fallen cold and dead.



quinta-feira, 7 de agosto de 2014

terça-feira, 5 de agosto de 2014

Esquecimento


Não devemos cair no esquecimento, mas também não nos devemos dar a recordar por mais que nada e menos que muito.
Do outro lado também tem que existir vontade de não cair no esquecimento.





sábado, 2 de agosto de 2014

terça-feira, 22 de julho de 2014

quinta-feira, 3 de julho de 2014

Que deixaste em quem por ti passou?

Meu velho...

Quantas vezes ouviste em silêncio quem por ti passou?
Quantas vezes lágrimas secaste em quem por ti passou?
Quantas vezes sentiste como tua a dor de quem por ti passou?
Quantas vezes engoliste em seco por quem por ti passou?
Quantas vezes sorrisos deixaste em quem por ti passou?
Quantas vezes ajudaste a encontrar o rumo a quem por ti passou?
Quantas vezes magoaste quem por ti passou?


Terás deixado melhor quem por ti passou?



Meu velho, como ficaste depois de quem por ti passou?





sábado, 14 de junho de 2014

Aqui, neste lugar.

Sentei-me descalço, ao luar
Como em outras tantas noites de verão
Ouvi as cigarras e os grilos
Escutei o ribeiro lá ao fundo
Enchi os pulmões com o ar puro daqui
Senti o perfume da Tília ali acima
Olhei o céu estrelado
Como em outras tantas noites de verão...
Mas esta é especial!
Esta... Estou a vivê-la pela primeira vez
As outras já passaram...
E venham outras tantas
Aqui, neste lugar.